Milão

24/09/2015 11:49 Europa
Milão

 

Ainda que tenha a metade da população de Roma – 1,3 milhão de habitantes contra 2,7 milhões da capital –, é Milão quem faz o papel da metrópole moderna e cosmopolita na Itália. Com o bônus de que seu rico passado cultural e arquitetônico também faz bonito diante de quem a visita. Milão é o reino encantado dos apaixonados por moda, que têm como templo sagrado o chamado Quadrilátero de Ouro, conjunto de ruas em que as grifes mais chiques e caras do mundo disputam a atenção dos transeuntes. E a elegância milanesa transcende as peças que Versace, Dior, Prada e outros craques da alta costura exibem nas vitrines, aparecendo também na grandiosidade do Duomo ou em outras igrejas mais singelas como a Santa Maria delle Grazie (onde repousa A Última Ceia, de Leonardo da Vinci). Experimente também a noite milanesa, farta em restaurantes e bares, como só um polo cosmopolita é capaz de oferecer.

 

Gastronomia: Capital da Lombardia, Milão possui uma rica cozinha, um tanto distinta da que bem conhecemos e chamamos de "italiana". Há vários pratos típicos da região, todos onipresentes nas principais casas da cidade. Alguns dos símbolos gastronômicos milaneses são o ossobuco, bollito misto, excelentes polentas (de milho e castanha), ricos e densos risotos feitos com arroz do Vale Ticino e queijos como Grana Padano, mascarpone, taleggio e, o mais conhecido de todos, o gorgonzola. Boa parte dos restaurantes oferecerão uma entrada, um prato principal e café ou vinho da casa a um preço bem convidativo. Obviamente você também encontrará estabelecimentos mais luxuosos, trabalhando com ingredientes e leituras mais contemporâneos da cucina povera, a comida do povão.

 

O que fazer:

Duomo: O cartão de visita de Milão não poderia ser mais imponente: o Duomo é a maior catedral gótica da mundo, no interior da qual podem rezar até 40 mil pessoas ao mesmo tempo. O Duomo milanês começou a ser erguido no século 14, mas sofreu diversas alterações importantes até o século 19, quando Napoleão ordenou a conclusão de sua fachada. Até Leonardo da Vinci contribuiu para sua construção, inventando mecanismos de transporte para as pesadas matérias-primas. Entre suas mais de 3 mil estátuas, destaca-se a Madonnina, santa padroeira da cidade, em cobre. Para conhecer tudo isso, não esqueça de cumprir o dress code local: de bermuda ou camiseta regata não entra.

 

Chiesa Santa Maria: No interior do Cenacolo Vinciano, o antigo refeitório da igreja de Santa Maria della Grazie, está uma das obras de arte mais conhecidas do planeta: A Última Ceia, de Leonardo da Vinci. Seu estado de conservação inspira cuidados e o afresco está em permanente processo de manutenção e conservação.

Atenção: é preciso reservar a visita, que dura 15 minutos, com antecedência - por vezes de meses, por telefone ou internet.

 

Museu Nacional de Ciência e Tecnologia Leonardo Da Vinci: Todo mundo sabe que a genialidade do renascentista italiano ia muito além da pintura. O grande barato do Museu é tirar do papel várias criações do artista que não passaram de esboços. Entre reproduções em tamanho real de submarinos, instrumentos musicais, máquinas de costura, aviões, trens e muitos outros objetos, é impossível não se surpreender com esse gênio visionário.

Há cafés e lanchonetes, programas educativos para crianças e a acessibilidade para cadeirantes é ampla, com exceção para o submarino Toti e algumas outras áreas.

 

Pinacoteca di Brera:Pinacoteca fica dentro de um palazzo do século 17, o Palazzo di Brera. A coleção é um grande apanhado do melhor da produção dos últimos séculos, com destaque para O Cristo Morto, de Mantegna, o Casamento da Virgem, de Rafael, o Retrato de Moisè Kilsing, de Modigliani e Madonna della Dandeletta, de Carlo Crivelli. As exposições estão organizadas entre as coleções de pinturas italianas dos séculos 15 a 19 e obras flamencas e holandesas dos séculos 16 e 17.

 

Galeria Vittorio Emanuele II:  A Galeria foi desenhada por Giuseppe Mengoni, que morreu tragicamente ao cair de um andaime antes da inauguração, em 1877, após 14 anos de obras. Este magnífico edifício com vitrais no teto e piso de mármore ocupa uma posição estratégica e funciona como uma passagem entre a Piazza del Duomo e a Piazza della Scala, onde está o Teatro Alla Scala. Abriga uma série de lojas, restaurantes e o incrível hotel Town House Galleria.

 

Teatro Alla Scla: O Teatro é uma das óperas mais famosas do mundo, construída no final do século 18 em uma antiga igreja, um edifício neoclássico de 1778. Consagrou gênios como Verdi e Maria Callas. Inclui museu com vestuários, instrumentos e peças de montagens antigas.

Para conseguir ingressos para concertos, óperas e produções teatrais é necessário boa antecipação.

 

Fonte: Viagem e Turismo